(27) 3207-2576 e 3207-1104 | Plantão 24h 99874-5220

ÁREA DO CONDOMÍNIO

ÁREA DO CONDOMÍNIO


FALE CONOSCO


(27) 3207-2576 e 3207-1104 | Plantão 24h 99874-5220

  • PÁGINA INICIAL
  • INFORMATIVOS
  • LOCALIZAÇÃO
  • TRABALHE CONOSCO

HÁ 10 ANOS NO MERCADO CAPIXABA



A Real Administradora é uma empresa focada exclusivamente na prestação de serviços para condomínios desde janeiro de 2008. Com anos de experiência em toda Grande Vitória, temos uma equipe com mais de 80 colaboradores, contando sempre com técnicos profissionalizados e graduados.

Estamos valorizando mais de 30 condomínios com um atendimento diferenciado e seleto, sempre proporcionando soluções inteligentes no cotidiano de cada empreendimento. Visite nosso escritório sede, estamos localizados Mata da Praia em Vitória, Espírito Santo.

NOSSAS ASSESSORIAS

Há 10 anos no mercado capixaba, conduzimos os nossos clientes a terem uma experiência diferente, elevando o padrão do seu imóvel e o convívio entre os condôminos.

MÃO DE OBRA TERCEIRIZADA

Com uma equipe com mais de 90 colaboradores e contando sempre com técnicos profissionalizados e graduados, atuamos em mais de 30 condomínios com um atendimento diferenciado e seleto.

FAÇA PARTE DA NOSSA EQUIPE

ATENÇÃO: Cadastre-se no menu "trabalhe conosco" e em seguida, candidate-se a vaga disponível. É de extrema importância preencher todos os campos, pois isso facilitará encontrarmos seu currículo. Boa sorte!



Cachorros, crianças, cigarro, churrasco e infiltração estão entre os maiores problemas que envolvem processos na Justiça

O Jornal Gazeta Online publicou neste mês de novembro uma série de dicas e alertas para evitar que o incomodo vire processo quando há ocorrências dentro do condomínio. Os problemas mais frequentes segundo a entrevista com o advogado Diovano Rosetti, especializado em Direito Imobiliário, são cachorros, crianças, cigarro, carro, calçado, churrasco e conserto.

Por experiência, é notável que é na garagem, áreas comuns e a falta de manutenção dentro dos imóveis que apresentam os maiores problemas e agravando na maior parte das vezes em processos por danos morais.

O sindico quando solicitado, deve sempre tentar buscar a melhor maneira de abrandar a situação em casos de infração. Tentar estabelecer o diálogo entre as partes, chamando o infrator e a pessoa que se sente prejudicada para não repetir a infração.

Caso não resolva, a alternativa é buscar as regras na Convenção e aplicar a devida multa, mas havendo reincidência da infração, a punição deve aumentar e a orientação é marcar uma Assembleia Geral Extraordinária informando os demais condôminos para buscar uma solução em coletivo. Mesmo após estas opções não resolvendo o problema, é preciso recorrer à Justiça, explica Rosetti. 

Segundo o advogado, a inadimplência no pagamento de condomínios aumentou na Grande Vitória. Foram registradas quase 800 ações de janeiro a outubro deste ano, trata-se de um aumento de 50% neste período.

6 dicas de como tentar evitar que o incômodo vire processo:

1. Animais de estimação - A dica, então, é ser extremamente meticuloso na criação do regulamento interno. Tem que abranger todos os detalhes: se pode entrar garagem ou pela porta de pedestres ou em que situações o animal deve usar focinheira, por exemplo. Isso já é meio caminho andado para evitar confusão. Em situações que extrapolam o limite do tolerável, como quando o cachorro rotineiramente é deixado sozinho e não para de latir, devem ser tomados os procedimentos padrões para quebra de regulamento. Há casos que podem parar na Justiça, e o animal pode até ser expulso do prédio.

2. Infiltrações - Fora do alcance da visão de boa parte dos moradores, os problemas de encanamento podem ser protagonistas das piores ores de cabeça de qualquer vida em condomínio. A grande dica para resolver essas questões com agilidade, porque fica barato para todo mundo. O primeiro ponto, portanto, é ter consciência sobre as responsabilidades de cada um. Assim, quando a assunto é encanamento, os encargos se separam em duas esferas. Se o problema for na ramificação geral do prédio, a missão de reparar os danos recai sobre o condomínio. O Código Civil até determina que se o síndico for omisso na correção de determinados vazamentos, e isso ficar provado, o morador pode solucionar o problema e, depois, cobrar do condomínio. Dentro do imóvel, a responsabilidade é do condômino. De acordo com a Lei de Responsabilidade Civil, ninguém pode provocar danos ao outro. Se há vazamento em meu apartamento, é meu dever reparar.

3. Garagem - A maneira como cada morador enxerga o ato de conduzir um veículo pode ser outro pivô de atritos enormes no condomínio. Criar regras claras e ser criativo na hora de construir a garagem é essencial para preveni-los. A começar pela segurança. O condomínio precisa definir se é interessante ser guardião da garagem. Estabelecido isso, o próximo passo é determinar a velocidade máxima para os veículos e, em casos de escassez de espaço, adaptar o estacionamento do prédio. Para isso, há uma série de soluções. Dá para fazer rodízio, guincho hidráulico e, até, contratar manobristas. O tamanho das vagas de garagem costuma gerar atritos entre condôminos. Em geral, falta espaço para a maioria dos condôminos estacionar veículos de grande porte, como picapes ou utilitários.

4. Barulho - Os decibéis emitidos pelos moradores são os principais pivôs de discussões e caras feias nos condomínios. É o salto da vizinha do andar de cima que impede que alguém consiga tirar um cochilo, são as crianças que não param de pular ou o gosto musical duvidoso do companheiro de andar Para esses e outros problemas ligados ao barulho excessivo, o condomínio deve sempre criar um bom regulamento interno. Determinar os períodos para o silêncio, o limite máximo de decibéis e as punições para quem infringir as regras são cruciais para resolver este impasse. Em alguns estados, existem leis que determinam qual é esse limite. Se o barulho incomodar apenas uma pessoa, o condomínio não tem legitimidade para intervir.

5. Drogas e Cigarro - Uma preocupação que tem esquentado a cabeça de muitos síndicos está ligada ao consumo de entorpecentes dentro do condomínio. O porte de maconha para consumo próprio, por exemplo, não é crime no país. No entanto, é possível que esta prática gere inconvenientes para os outros moradores. A reação, contudo, deve variar de acordo com o local em que o condômino usa o entorpecente. Se é dentro do imóvel, a atuação é muito limitada. A polícia deve ser acionada apenas quando os efeitos alucinógenos começam a incomodar ou colocar outros moradores em risco. Quando o uso é em áreas comuns do prédio, a história é outra. A administração do prédio pode até enquadrar o condômino em uma conduta anti-social. No caso de cigarro, as regras variam de acordo com a convenção do condomínio. Pode proibir o fumo em áreas comuns e até na varanda do apartamento.

6. Áreas comuns – Com o aumento de áreas comuns nos condomínios, também cresceram os conflitos entre os moradores. Para evitar problemas, as regras de uso, como horários, por exemplo, precisam estar definidas claramente no regimento interno do condomínio. No entanto, para nada servem as regras se elas não forem cumpridas. O ideal é não abrir exceções para não ter problemas futuros.

Fonte: Gazeta Online
Autor: Vando Lopes


 

         


Visitas: 641

Fonte: Gazeta Online

LOCALIZAÇÃO

Rua Victorino Cardoso, 220 - loja 04 - Jardim Camburi - Vitória - ES - CEP: 29090-820




CONTATO

(27) 3207-2576 e 3207-1104 | Plantão 24h 99874-5220

FALE CONOSCO

Envie-nos uma mensagem



POSSO AJUDAR?

Rua Victorino Cardoso, 220 - loja 04 - Jardim Camburi - Vitória - ES - CEP: 29090-820



Envie-nos uma mensagem




LOCALIZAÇÃO

Rua Victorino Cardoso, 220 - loja 04 - Jardim Camburi - Vitória - ES - CEP: 29090-820